sexta-feira, 13 de julho de 2018

Pizza - Massa Sovada no Processador


Gente, vou ser sincera: depois que descobri essa receita curinga da Rita Lobo, nunca mais fiz outra. Bota tudo no processador de alimentos, bate e pronto - é só esperar crescer! Além da facilidade, para uma massa de pizza feita em casa e sem os aparatos profissionais, eu diria que é a que mais se aproxima de uma pizza de pizzaria. Fica realmente muito boa!

Ingredientes:

3 xícaras (chá) niveladas de farinha de trigo
1 xícara (chá) de água
10 gramas (1 envelope) de fermento biológico seco
1 colher (chá) nivelada de açúcar
1 colher (chá) nivelada de sal
2 colheres (sopa) de azeite e + um pouco para untar a tigela
Farinha de trigo para polvilhar a bancada
Fubá para polvilhar a assadeira

Modo de preparo:

Numa xícara medidora, coloque a água, o fermento e o açúcar. Misture bem para dissolver e deixe em temperatura ambiente até começar a espumar – isso leva cerca de 10 minutos. No processador, com a lâmina para massas, coloque a farinha e o sal. Coloque para bater na velocidade mínima e, pelo bocal da tampa, junte o fermento misturado com a água e com o açúcar aos poucos para incorporar. Adicione o azeite e continue batendo por mais 5 minutos, até formar uma massa bem lisa e elástica – você sabe que a massa está no ponto certo quando descolar da parede do copo do processador. Atenção: segure o processador durante a sova, ele pode dar uma chacoalhada. Unte uma tigela grande com um pouquinho de azeite e transfira a massa do processador para a tigela. Cubra com filme (ou pano de prato) e deixe fermentar em temperatura ambiente por cerca de 1h30, até a massa triplicar de volume. Quando faltar 30 minutos para completar o tempo de crescimento da massa, preaqueça o forno a 250ºC (temperatura alta). Se for utilizar uma assadeira de pedra sabão, coloque-a dentro do forno ainda frio para aquecer desde o início – caso contrário, ela pode rachar com o choque térmico. Eu gosto de usar uma assadeira retangular grande que tem um bom antiaderente. Polvilhe a bancada com farinha de trigo, transfira a massa para a bancada e com o rolo de macarrão abra no tamanho desejado. Polvilhe o fundo da assadeira com fubá – ele evita que a massa umedeça e deixa a pizza mais crocante.Transfira a massa para a assadeira. Cubra com o recheio de sua preferência e leve ao forno para assar até as bordas ficarem douradas. Sirva a seguir.

Dicas:
Para dissolver o fermento na água com o açúcar, eu  gosto de colocar a água no micro-ondas por uns 15 segundos, só para "quebrar o gelo" da água. Não é para deixar a água morna, é para aumentar levemente a temperatura.
A massa vai esquentar um pouco dentro do processador, é normal.
Siga as medidas certinho (se tiver medidores universais, prefira-os) e resista a tentação de colocar mais farinha ou mais água na receita. As xícaras e colheres são NIVELADAS (encha o utensílio e depois passe uma faca na borda, deixando o conteúdo rente às bordas). A massa fica um pouquinho grudenta, é assim mesmo.
Essa quantidade rende 2 pizzas médias, mas vai depender da espessura que você deixar.
Influenciam no tempo de forno: espessura da massa, tipo de assadeira utilizada, temperatura do forno, quantidade de recheio utilizada, etc. Por isso não gosto de falar quanto tempo a pizza precisa assar. :-)

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Bolo Delícia de Morangos


Bem levinho, daqueles que a gente come 3 pedaços sem notar...

Ingredientes:

Para o bolo:
5 ovos
190 gramas de açúcar
125 gramas de água
125 gramas de óleo
225 gramas de farinha de trigo
13 gramas de fermento em pó

Para os recheios:
2 caixas de morangos (reserve 5 ou 6 inteiros para decoração)
300 mL de creme de leite fresco
2 colheres (sopa) de açúcar
3/4 lata de leite condensado
1/2 caixa de creme de leite
1 gema peneirada
1 colher (café) de essência de baunilha

Para a cobertura:
Geleia de morango (o quanto baste)
Açúcar de confeiteiro (o quanto baste)

Modo de preparo:

Para o bolo:
Bata muito bem os ovos com o açúcar até ficar uma mistura volumosa e clara (cerca de 10 minutos). Coloque a batedeira na velocidade mínima e junte o óleo e a água. Deixe bater só para misturar. Peneire a farinha e o fermento e vá acrescentando na massa aos poucos enquanto mistura delicadamente. Leve para assar nas formas de aro ou fundo removível (essa massa é para uma forma de 20 cm, bem funda), sem untar as laterais (eu coloco apenas uma folha de papel toalha no fundo). Deixe assar até passar no teste do palito, retire e deixe esfriar completamente.

Para os recheios:
Primeiro, prepare os morangos: lave e higienize-os. Depois, seque-os em uma centrífuga de saladas (se você não tiver uma, pule esta parte). Pique cada um em cubos (lembre-se que quanto mais você picar, mais água vão soltar) e coloque para "sorar": pegue uma peneira grande e coloque os morangos. Por cima, polvilhe 1 colher de sopa de açúcar, misture bem. Deixe repousando na geladeira por cerca de 1 hora. Mexa de vez em quando. Este truque vai fazer os morangos soltarem bastante água, o que aumenta a durabilidade do bolo e melhora o aspecto. Na hora de usar, escorra a água e passe pela centrífuga novamente. Por último, eu ainda gosto de secar com um papel toalha.

Para o primeiro recheio, basta bater o creme de leite fresco bem gelado até atingir o ponto de chantilly. O açúcar eu gosto de colocar quando está começando a ganhar consistência. Depois, é só juntar metade dos morangos reservados.

Para o segundo recheio, leve ao fogo médio o leite condensado, o creme de leite e a gema. Use uma panela grossa e alta. Mexa bem com um fouet até engrossar (isso demora um pouco e espirra, cuidado!). Deixe o creme esfriar, acrescente a essência de baunilha e junte a outra metade dos morangos.

Para a montagem e decoração:
Monte o bolo na própria forma onde foi assado, forrando com um plástico para ajudar a desenformar. Molhe a massa com uma calda (eu gosto de usar uma mistura de leite condensado com água, na proporção de 1:1, ou seja, se usar 50 mL de água, coloque 50 mL de leite condensado - use o que restou do leite condensado do segundo recheio).
Corte o bolo completamente frio em 3 partes, molhe a massa, espalhe o primeiro recheio, coloque outra massa, molhe, recheie com o segundo recheio e termine com a última parte de massa, também umedecida. Feche o plástico e leve para gelar por cerca de 6 horas. Desenforme sobre um prato de servir e espalhe a geleia de morango na lateral do bolo. Por cima, polvilhe o açúcar de confeiteiro e decore com os morangos inteiros reservados.

Dicas:
Se você tiver dificuldade com o ponto do creme de leite fresco (cuidado, se bater demais, vira manteiga!), pode usar chantilly de caixinha - neste caso, não coloque o açúcar.
Não tenho foto desse bolo cortado :-( Sorry.

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Baião de Dois


Aqui no blog uma outra versão dessa receita já apareceu, mas tenho que confessar que essa da Rita Lobo é bem mais gostosa e também mais leve que a anterior (característica importante para esta receita que de leve não tem nada). Vale a pena fazer! Acompanha uma saladinha verde e mais nada.

Ingredientes:

500 g de carne-seca
1 xícara (chá) de feijão-fradinho
1 xícara (chá) de arroz
1/2 cebola picada fino
1 colher (sopa) de azeite (ou óleo)
1/2 colher (chá) de sal
1 folha de louro
200 g de queijo de coalho
100 g de bacon em cubos
1 cebola roxa
2 dentes de alho
2 colheres (sopa) de manteiga de garrafa (ou a gordura que preferir, como manteiga, azeite ou óleo)
3 talos de cebolinha fatiada
Cheiro-verde a gosto
Sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

Modo de preparo:

Eu usei a carne seca já pronta, dessalgada e desfiada (atualmente, é fácil de achar em bons supermercados). Mas se você não encontrar ou preferir fazer, proceda assim: corte a carne-seca em cubos grandes de cerca de 7 cm - este tamanho é ideal para dessalgar a carne sem tirar completamente o sal e também para desfiar de um tamanho uniforme. Coloque numa tigela e lave em água corrente. Cubra os cubos de carne com 5 xícaras (chá) de água fria. Cubra a tigela com um prato (ou filme) e deixe na geladeira por 24 horas - troque a água pelo menos uma vez durante este período.
Escorra a água e transfira a carne para a panela de pressão. Complete com água até a metade da panela, tampe e leve ao fogo médio.
Assim que a panela começar a apitar, diminua o fogo e deixe cozinhar por 20 minutos. Desligue o fogo e espere toda a pressão sair antes de abrir (você pode colocar um garfo sob a válvula par acelerar o processo, mas isso encurta o tempo de vida da panela).
Despreze a água do cozimento, junte o feijão-fradinho e repita o passo anterior, mas dessa vez deixe cozinhar por apenas 10 minutos. Atenção: o feijão não pode cozinhar demais e desmanchar. Após os 10 minutos de cozimento, desligue o fogo e, com um garfo, levante a válvula para tirar a pressão da panela. Com uma pinça, transfira os cubos de carne para um prato e desfie com um processador ou com dois garfos - descarte os pedaços maiores de gordura. Sobre uma tigela, passe o feijão por uma peneira e reserve a água do cozimento.
Leve ao fogo médio uma panela média. Quando aquecer, regue com o azeite e acrescente a cebola. Tempere com o sal e refogue por cerca de 2 minutos, até murchar. Acrescente o arroz e mexa bem por cerca de 1 minuto para envolver todos os grãos com o azeite.
Meça 2 xícaras (chá) da água do cozimento reservada e regue sobre o arroz. Junte a folha de louro, misture e deixe cozinhar em fogo médio. Assim que a água começar a secar e atingir o mesmo nível do arroz, diminua o fogo e tampe parcialmente a panela. Deixe cozinhar até o arroz absorver toda a água - para verificar, fure o arroz com um garfo e afaste alguns grãos do fundo da panela.
Desligue o fogo e mantenha a panela tampada por 5 minutos para que os grãos terminem de cozinhar no próprio vapor. Enquanto isso, prepare o refogado. 
Descasque e pique fino a cebola e o alho. 
Corte o queijo de coalho em cubos de 1 cm.
Leve ao fogo médio uma frigideira grande, de preferência antiaderente. Quando aquecer, acrescente 1 colher (sopa) de manteiga de garrafa (usei azeite) e junte os cubinhos de queijo. Deixe por cerca de 2 minutos, até descolar do fundo, e mexa com a espátula para dourar por igual. Transfira para uma tigela e reserve. Mantenha a frigideira em fogo médio e adicione o restante da manteiga de garrafa. Acrescente a cebola e refogue até murchar. Junte os cubos de bacon e deixe cozinhar, mexendo de vez em quando, até começar a dourar. Adicione o alho e mexa por mais 1 minuto.
Acrescente 1/2 xícara (chá) da água do cozimento reservada e misture bem - isso vai deixar o baião de dois mais molhadinho. 
Desligue o fogo, junte o feijão-fradinho e misture bem. Abra a panela do arroz, solte os grãos com um garfo e transfira para a frigideira com o refogado.
Misture bem, prove e acerte o sal e a pimenta. Junte os cubinhos de queijo dourados e a cebolinha. 
 
Dicas:
 
Usei feijão vermelho, apesar da receita original ser com feijão-fradinho. Pode usar qualquer feijão? Pode, mas dá uma descaracterizada, né?
A carne seca que usei é da marca Vapza. Gosto dela porque tem o tempero na medida certa e textura boa. Já comprei de outra marca e não gostei não, só curto essa da Vapza.
A receita original também leva coentro, mas eu DETESTO! Não coloco em prato nenhum! 😝

quinta-feira, 1 de março de 2018

Bolo de Morango na Travessa




Bolo de e para preguiçoso: nada de desenformar, cortar para rechear, esperar firmar... praticidade é a palavra chave dessa receita. Você pode fazer uma receita de qualquer massa de bolo de sua preferência. A cobertura/recheio fica por conta de um delicioso chantilly com morangos e suspiros!

Ingredientes:

Para a massa:

1/2 copo de iogurte natural (85 g) - eu uso o integral
1/2 copo (use o copo do óleo como medidor) de óleo - eu uso um óleo de sabor neutro, tipo o de canola
2 ovos inteiros se forem pequenos (ou 1 se for bem grande)
1 colher (café) de essência de baunilha
1 copo de farinha de trigo
1 copo de açúcar
1/2 colher (sopa) de fermento em pó

Para a cobertura:
1 caixinha de morangos
300 mL de creme de leite fresco
3 colheres (sopa) de açúcar
Mini suspiros (o quanto baste - 1 pacote costuma sobrar)

Modo de preparo:

Para o bolo:
Bata no liquidificador o iogurte, o óleo, os ovos e a essência de baunilha. Desligue e junte o açúcar. Bata mais um pouco. Despeje numa tigela funda e apenas misture com um fouet a farinha e o fermento polvilhados. Coloque a massa numa travessa refratária, untada e enfarinhada. Leve para assar em preaquecido (180ºC) até dourar e passar no teste do palito. Espere esfriar completamente para colocar a cobertura.

Para a cobertura:
Higienize os morangos (lave-os em água corrente, deixe de molho com um sanitizante por 15 minutos, enxágue com água filtrada), pique-os e depois coloque numa centrífuga ou peneira com 1 colher de sopa de açúcar e deixe repousar na geladeira por pelo menos 30 minutos (isso vai fazer com que os morangos percam um pouco de água). Retire, escorra a água e seque-os bem (se você tiver uma centrífuga, use!). Reserve.
Gele o creme de leite fresco muito bem (eu deixo uns 15 minutos no freezer antes de bater, assim como o gancho da batedeira). Bata em velocidade baixa e quando parar de espirrar, adicione o açúcar e aumente a velocidade. Quando formar um creme que deixa rastro, desligue. Misture com os morangos e distribua sobre o bolo já frio. Distribua os suspiros apenas na hora de servir (perdem a crocância quando são refrigerados e misturados com o creme).

Dicas:
É muito fácil perder o ponto do creme de leite fresco! Muito cuidado ao bater para não virar manteiga. Por isso eu acabo deixando o creme mais molinho, sem ponto de bico.
Você pode alterar a quantidade de açúcar no creme de leite (eu gosto bem docinho!).
Se quiser incrementar o bolo, faça um recheio - pode ser aquele famoso creme amarelo de pavê (leite condensado, gemas, leite, amido), distribua os morangos sobre ele e só depois coloque a cobertura de chantilly com os suspiros.

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Cupcakes Nuvem de Nutella


Essa receita é deliciosa e super rápida para servir como lanche da tarde ou até mesmo como sobremesa. Olha como é fácil:

Ingredientes:

100 gramas de manteiga (1/2 tablete)
115 gramas de açúcar refinado (2/3 xícara de chá)
55 gramas de chocolate em pó (1/2 xícara de chá)
1 ovo bem grande ou 2 pequenos
90 gramas de farinha de trigo (3/4 xícara de chá)
1 pitada de sal
100 mL de leite
1/2 colher (sopa) de essência de baunilha
 1 e 1/2 colher (chá) de fermento

Para a cobertura:
250 mL de creme de leite fresco
3 colheres (sopa) de Nutella 
1 pedacinho de chocolate meio amargo para decorar

Modo de preparo:

Bater muito bem a manteiga com o açúcar até ficar um creme firme e clarinho. Juntar os ovos, um a um, e bater após cada adição. Coloque o chocolate em pó, bata mais um pouco. Acrescente então a farinha, o leite e a essência, e bata bem. Por último, junte o fermento e bata apenas para misturá-lo à massa. Despeje a massa em forminhas para cupcakes e leve para assar em forno preaquecido (180ºC) até passar no teste do palito. Espere esfriar para colocar a cobertura.

Para a cobertura:
Deixe o creme de leite no freezer por uns 20 minutos antes de bater (eu também coloco o batedor de arame para ficar bem gelado). Coloque na batedeira e bata até quase atingir o ponto de chantilly (quando ficar cremoso, mas ainda sem ponto de bico). Junte a Nutella e bata bem, agora até ficar em ponto de chantilly. Cuidado para não passar do ponto, assim que você perceber que dá para ser usado no saco de confeitar, desligue a batedeira. Coloque no saco e decore os cupcakes. Salpique chocolate meio amargo ralado por cima. 

Dicas:

Essa receita é melhor executada com balança culinária ao invés de xícaras e copos. É um bom investimento para quem gosta de cozinhar. Eu acho fundamental! Não fico sem.
Dessa vez eu não recheei os cupcakes. Preferi muita cobertura e só. Se quiser rechear, cave um buraco no centro do bolinho e coloque recheio a gosto.
Cuidado com o creme de leite fresco, pois é muito fácil perder o ponto! Para ficar bem batido e com um bom ponto, deve ser utilizado bem gelado mesmo (por isso eu coloco até o batedor no freezer - e o certo era bater sobre um banho de gelo!). Se bater demais já sabe, né? Vira manteiga e você perde todo o seu creme.
Essa receita rendeu 9 cupcakes.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Pão Clássico



Quem acompanha o blog já sabe que não sou nenhuma expert em pães - ao contrário, sou leiga. Já fiz alguns pães bons, outros nem tanto. Mas estou sempre disposta a testar novas receitas. Gosto muito de um pão italiano feito com levain (fermento natural) que vende numa padaria daqui do Rio e estou sempre comprando. Depois de ganhar um livro do famoso Éric Kayser, padeiro artesão de grande renome mundial, finalmente decidi que era hora de tentar. Primeiro, será necessário que você prepare o seu levain - e isso leva 4 dias! Portanto, se planeje para fazer o seu pão.
Tenho várias ressalvas a fazer sobre a receita, que posto a seguir (com as devidas explicações).
Fonte: Livro Larousse dos Pães - Éric Kayser (p. 109)

Ingredientes:

500 g de farinha de trigo
310 g de água a 20ºC
100 g de levain líquido*
1 g de fermento biólogico fresco
10 g de sal

Modo de preparo:

Se você tiver uma batedeira planetária com gancho para massas e potente, pode usar: você vai misturar todos os ingredientes na tigela e bater em velocidade baixa por 4 minutos; depois mais 4 minutos em velocidade alta.
Se for sova manual, você vai misturar todos os ingredientes numa tigela, deixando a água por último e acrescentando-a aos poucos. Sove a massa até ficar macia e homogênea (o livro não menciona, mas eu sovaria por uns 15-20 minutos).
Forme uma bola de massa e cubra com pano de prato ligeiramente úmido. Deixe crescer por 2 horas. Ao final do tempo indicado, a massa terá dobrado de tamanho.
Enfarinhe a bancada. Divida a massa em 2 porções iguais (eu não dividi). Role a massa entre as mãos pressionando-a levemente na bancada, até obter uma bola regular e lisa. Deixe descansar por 30 minutos.
Apanhe as bolas de massa. Role-as entre as mãos para dar mais força à massa. Acomode os pães, com as emendas viradas para baixo, em uma assadeira forrada com papel manteiga. Cubra com um pano de prato ligeiramente úmido e deixe crescer por 1h30. Ao final do tempo indicado, a massa terá dobrado de tamanho.
Coloque uma assadeira na grade inferior do forno. Preaqueça o forno a 230ºC. Polvilhe os pães com farinha e faça incisões em cruz (faça um #).
Imediatamente antes de levar ao forno, despeje 50 mL de água na assadeira aquecida. Asse por 15 minutos. A seguir, baixe a temperatura para 200ºC e deixe assar por mais 30 minutos. Retire os pães do forno e deixe-os sobre uma grade até esfriarem.

*Preparo do levain líquido:
1º dia: Misture em uma tigela 20 g de farinha de centeio, 20 g de água a 30ºC e 5 g de mel. Cubra com um pano de prato e deixe por 24h. (Nesta etapa, não acontece nada "visível").
2º dia: Misture 40 g de farinha de centeio, 40 g de água a 30ºC e 5 g de mel. Junte a preparação do dia anterior. Cubra novamente com um pano de prato e deixe por 24h. (Você verá pequenos furinhos na mistura no dia seguinte).
3º dia: Misture 80 g de farinha de centeio e 80 g de água a 30ºC. Junte a preparação feita no segundo dia. Cubra com um pano de prato e deixe por mais 24h. (Aqui, já dá para ver mais bolhas se formando, a consistência é tipo uma mousse).
4º dia: Junte 100 g de farinha de trigo e 100 g de água a 30ºC. Misture. Seu levain está pronto para ser usado. Sua consistência é de massa de panqueca espessa. Conserve-o em um pote de vidro ou tigela que deve ser apenas coberto com um pano.
A cada 3 dias, é necessário "refrescar" o levain. Você precisará saber a quantidade que sobrou no pote. Por exemplo, se sobrou 300 g de mistura, acrescente 75 g de água e 75 g de farinha (a combinação de água e farinha deve ser sempre equivalente a 50% do seu peso). Se não for usar por alguns dias, tampe e guarde na geladeira.

Considerações:
Bom, como eu falei, este foi meu 1º pão de fermentação natural, então é óbvio que não ficou 100%. A partir disso já tirei várias observações:

1 - Farinha: a farinha usada deve ser "forte" (alto teor de glúten). Prefira farinhas importadas, veja no rótulo o teor de glúten ou de proteínas.
2 - É importante usar o levain recém refrescado e em temperatura ambiente, assim como é importante medir a temperatura da água. Um termômetro culinário é um artefato barato e mão na roda para quem cozinha.
3 - Falando em precisão, é fundamental uma balança (outro artigo culinário barato). Medidores são imprecisos e podem avacalhar sua receita.
4 - Por mais que a gente siga a receita ao pé da letra, as vezes dá errado. Fiz isso e meu pão não ficou 100%. Experiência e conhecimento da técnica é fundamental. Como nossas farinhas brasileiras são diferentes, pode ser que a massa precise de mais ou menos água - e eu taquei toda a água de uma só vez na tigela. NÃO FAÇA ISSO! Deixe a água como último ingrediente, e vá colocando aos poucos na massa, enquanto bate (ou sova). NÃO CAIA NA TENTAÇÃO DE COLOCAR MAIS FARINHA SE A MASSA ESTIVER MOLE! A receita é pensada para uma determinada quantidade de farinha (levain, fermento, sal, etc.). Se você alterar a quantidade de farinha, altera todo o resultado final do seu pão. Como minha massa ficou mole, eu decidi assar o pão dentro de uma panela, já que eu modelava a bola e ela ia se achatando aos poucos. Você pode fazer isso se tiver uma panela que possa ir ao forno (usei uma de cerâmica): primeiro, ligue o forno e deixe a panela com tampa lá dentro, preaquecendo junto, por uns 30 min. Depois, retire a panela com cuidado e polvilhe farinha no fundo - de preferência integral - e vire o pão lá dentro, com as emendas para baixo. Faça as incisões, tampe e leve ao forno por uns 20-30 minutos (o tempo depende do seu forno também, tem que tirar para conferir de vez em quando). Quando o pão estiver com aspecto de assado, porém branco, é hora de retirar a tampa da panela. Deixe dourar por uns 10 minutos. Vire o pão sobre uma grade e deixe esfriar (se você não tem essa grade específica, use aquela do micro-ondas).
5 - Voltando à massa mole: isso provavelmente aconteceu porque coloquei água demais para o tipo de farinha que usei. Para não perder, acabei assando na panela. A ideia deu certo - o pão ficou gostoso, porém com o miolo um pouco denso.
6 - O tempo de forno sugerido na receita pode variar, e muito! Depende se você vai fazer dois pães (ou 1, como eu), depende do seu forno, etc. O tempo de fermentação também varia - depende da temperatura local, do seu levain, etc. Tudo é muito variável para fazer pães - nada que bons livros, dicas de amigos (obrigada @malioaflisio) e a prática não te ajude.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Abobrinha Frita com Recheio de Queijo


Vi um vídeo na página do ChefClub Brasil que era uma tentação: uma abobrinha insossa virava uma receita super gostosa. Não vou negar que é chatinho de fazer (particularmente, detesto esse passa-passa em farinha-ovo-farinha), mas achei que vale a pena para sair da mesmice. Serve como acompanhamento ou como petisco.

Ingredientes:

1 abobrinha (eu usei a italiana)
Muçarela de búfala em bolinhas, bem escorridas (o quanto baste)
Sal e pimenta a gosto
Ovo
Farinha de trigo
Queijo parmesão ralado
Farinha de rosca
Óleo para fritar

Modo de preparo:

Fatie as abobrinhas beeem fininha (se tiver um mandolin, use) no sentido do comprimento, formando fatias longas e finas. Disponha uma sobre a outra formando um "+". Tempere com sal e pimenta a gosto. No centro, onde as fatias se encontram, coloque uma metade da bolinha da muçarela de búfala (eu comprei bolinhas médias, então só foi preciso cortar cada uma ao meio). Dobre as pontas das fatias de abobrinha sobre o queijo, em direção ao centro e uma ponta por vez, formando um pacotinho. Prenda com um palito e passe na farinha de trigo, depois no ovo batido, no parmesão ralado e por último na farinha de rosca. Repita a operação até acabar as fatias de abobrinha. Frite em óleo quente até dourar e escorre em papel absorvente. Retire os palitos e sirva imediatamente.

Dicas:

Pode acontecer das fatias de abobrinhas se quebrarem enquanto são fechadas. Faça essa parte com cuidado e paciência. Sugiro assistir ao vídeo disponível lá na página do Facebook (link acima). O que acontece também é vazar um pouquinho da muçarela de búfala durante a fritura. Tente fechar bem o "pacotinho".
Pode variar o recheio (presunto, presunto e queijo, outros tipos de queijo, etc.).
1 abobrinha serve bem 2 pessoas.